Quinta-feira, 6 de Agosto de 2009

Carmo Rebelo de Andrade, 24 anos, precisou de um ano a viajar à volta do mundo para perceber que o seu fado era cantar...

Encontrei no i esta entrevista da Carmo Rebelo de Andrade e achei que fazia sentido publicar este excerto.

É uma entrevista da Laurinda Alves, para ler na íntegra.

 

 

Se fizermos um zoom à humanidade percebemos que cada um de nós está sozinho?
Não... Na Índia, por exemplo, não estão sozinhos. As famílias são maiores, ficam sempre unidas; quando os filhos se casam ficam junto do pai, da mãe, dos avós...

Com tudo o que isso tem de bom e de mau...
Sim, com tudo o que isso tem de bom e de mau. Mas faz com que as pessoas traduzam os sentimentos e a sua forma de se dar de maneiras muito diferentes. 

Quando chegaste a Calcutá foste bater à porta das Irmãs da Madre Teresa e escolheste fazer voluntariado no pavilhão dos moribundos. Os pobres mais pobres da Índia não te repugnaram?
Não pensei nisso. As irmãs andavam atrás de nós para usarmos luvas e máscaras e nós, nada. Eu ia muito inspirada pelos "Diários de Che Guevara" e, para mim, as luvas e as máscaras criavam uma distância que não queria. Lembro-me perfeitamente de, no filme, ele estar a tratar de leprosos com os médicos atrás a tentar obrigá-lo a usar luvas, e de ele dizer: "Não quero. As luvas são mais um entrave entre mim e a pessoa."

Fizeste o mesmo?
Sim. E também via outras sem luvas.

Fazias massagens e cantavas para os moribundos?
Cantava e eles adoravam. Às vezes punha--me a cantar no meio da sala, juntava três ou quatro pessoas, voluntários ou noviças, e cantávamos de tudo.

O facto de tocares nas pessoas doentes devolve-lhes a dignidade. Tinhas essa noção?
Sim... Aquilo era muito especial porque o que nós fazíamos era só devolver-lhes dignidade nos últimos momentos de vida. Eles iam morrer e tudo acabava simplesmente ali. Não havia projectos de futuro, nada mais era sustentável ou possível. Cuidar de moribundos é um gesto inteiramente gratuito.

O princípio da Madre Teresa foi esse mesmo: dar de graça e devolver a dignidade.
Tratar dos que nunca tiveram nada e iam morrer sem nada. No fundo é não querermos que morram sem saberem o que é ter alguém a cuidar deles, alguém a ter respeito pelo pudor deles, a trocar--lhes a roupa com delicadeza, a dar-lhes de comer, a limpar as feridas e tudo o resto.

A escatologia toda associada ao estado terminal. Não te faziam confusão os cheiros?
Tentava não pensar nisso e continuava ali a cantar, a dar-lhes massagens com óleo, porque eles têm a pele muito seca e gostam muito destes gestos.

Simplesmente estavas em comunhão com eles.
Sim. E aprendi que há gestos que são muito pequenos mas fazem o outro grande.

O que mais te marcou nesta viagem à volta do mundo?
O voluntariado. Foi o grande objectivo da minha viagem e foi "O" sentido. Viajar sem sentido, em minha opinião, é perigoso.

 

publicado por Nucha às 08:38
link | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quarta-feira, 5 de Agosto de 2009

Pedido de desculpas...

Venho pedir-vos desculpa.

Apesar de estar de férias sempre pensei que conseguiria ir postando com alguma regularidade.

Isso não tem acontecido porque a ligação à internet não tem  facilitado as coisas...

Assim devo-vos este pedido de desculpas.

Sempre que for possivel estarei aqui.

Até lá boas férias para todos...

publicado por Nucha às 16:22
link | comentar | ver comentários (7) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 23 seguidores

.pesquisar

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

As fotos publicadas neste blog não são, na sua maioria, da minha autoria. Inspiro-me simplesmente quando vejo algumas e guardo-as. Uso-as quando elas permitem expressar o que sinto ou quero dizer. Espero que sejam tão inspiradoras para si como o são para mim. Se for autor de alguma das fotos que se encontram neste blog, cujo principal fundamento é a solidariedade, agradeço que me contacte para poder colocar o seu nome com os devidos créditos de autoria, ou se preferir posso retirá-la,basta enviar-me um e-mail ou deixar um comentário.
blogs SAPO

.subscrever feeds